Resenha: Ed Sheeran – Uma jornada visual

ed

Eu não sou exatamente uma grande fã de biografias/autobiografias, mas quando eu vi essa capinha verde que nem ao menos havia saído do setor de cadastros da Travessa pela primeira vez, eu pensei “eu preciso desse livro na minha vida”.

Quando eu era mais mova, eu costumava zombar da cara dos jovens artistas que publicavam autobiografias. Na minha cabeça de garota do interior, uma pessoa com menos de 30 anos ainda não poderia ter vivido o suficiente para ter alguma coisa interessante para contar. Como eu estava enganada!

Quem olha para o bem sucedido Ed Sheeran, não imagina o que esse cara de 24 anos passou para alcançar o sucesso. Em seu primeiro livro, Ed conta toda a sua trajetária até o lançamento do seu segundo álbum, o “X”.

Ao embarcar nessa aventura, você vai saber como foi para Ed gravar o seu primeiro EP em seu quarto na Inglaterra ,e cantar no palco do Grammy ao lado de Elton John. Ele fala sobre suas primeiras influências musicais e sobre como precisou persistir para chegar onde chegou.

Ele também fala bastante sobre o seu trabalho como compositor. Foi muito interessante saber como funciona todo o processo de composição de suas musicas e como ele se aperfeiçoou ao longo dos anos.

O livro conta com ilustrações MARAVILHOSAS feitas por Phillip Butah e fotografias que mostram a trajetória do cantor desde a sua infância no interior da Inglaterra até os grandes shows nos EUA.

Ed Sheeran- Uma jornada visual, acaba de ser publicado aqui no Brasil pela editora Best Seller e pode ser considerado uma verdadeira obra de arte.
Se você tiver a oportunidade, não deixe que conferir a edição especial do álbum “X”! X Edition – CD + DVD! Está espetacular 😉

Curiosidade:
– A edição brasileira está praticamente idêntica a edição pública no exterior.

Trechos:

“Por isso nunca direi para ninguém: ‘ Vá para a escola, corra atrás das suas notas’, porque não foi isso o que eu fiz. O ensino tem o seu valor, mas existem outras possibilidades na vida além de notas máximas e diplomas universitários .”

“É a minha musica, e deve ser produzida do jeito que eu quero. Por isso funcionou: porque as pessoas sabem que não é parte de uma máquina publicitária. Tudo vem de mim.”

“Dizem que devo ser um acara triste, porque escrevo muitas letras tristes, mas é importante lembrar que, quando você está feliz, não vai estar em um quarto escuro de um hotel compondo uma música. Vai estar lá fora, se divertindo. ”

Nota: 10/10
Para quem gostou de: Taylor Swift, a história completa – Staying strong – A estrelha que nunca vai ser apagar
Onde comprar: http://www.travessa.com.br/ed-sheeran-uma-jornada-visual/artigo/ea7582b6-55fd-4ad7-9148-880eecd8f33a

Anúncios

Cinco cantores britânicos que eu mais gosto

large (12)

Essa semana eu estava olhando a minha biblioteca no last.fm e percebi que eu tenho uma quedinha por cantores e bandas britânicas – apesar do sotaque chatinho – e resolvi fazer uma lista dos meus favoritos.
Vamos começar a semana com um xícara de chá? Let’s go!

Birdy – Indie/Folk
Birdy – que na verdade se chama Jamine – é uma das minha favoritas. Lembro de quando ouvi “Skinny love” em 2011 e me apaixonei imediatamente, ela estava bem no comecinho da carreira, mas eu sabia que ela tinha tudo para ir pra frente.
Filha de um pianista de concerto, ela começou a tocar piano aos 7 anos de idade. Em 2011 lançou o seu primeiro single “Skinny love” que é um cover da banda Bon Iver. O seu primeiro álbum – Birdy – foi lançado no mesmo ano. No final de 2013 ela lançou o seu segundo álbum – Fire Within – que é M A R A V I L H O S O.
Curiosidades: Ela tem três musicas na trilha sonora de “A culpa é das estrelas”.

Ed Sheeran – Pop/Folk
Esse eu sei que boa parte de vocês já conhece e já escutou uma de suas musicas por aí. Apesar de ter estourado agora, a verdade é que Ed Sheeran gravou o seu primeiro EP em 2005! Porém, só começou a se popularizar nos Estados Unidos (e consequentemente no mundo) em 2012, quando o seu show passou a fazer parte de abetura da Red Tour da Taylor Swift.
Uma das coisas que eu amo nas musicas do Ed, é que muitas vezes elas traduzem exatamente o que eu estou sentindo.
Curiosidades: Uma de suas maiores influências foi Damien Rice, que é um cantor que eu também adoro.

Ellie Goulding – Pop/Eletronic
Também bastante conhecida por aqui, Ellie Gouding foi a voz dos “hinos” de muitas baladas ao redor do mundo.
Em 2009, Ellie largou a universidade para se dedicar inteiramente à musica, lançando dois singles “starry eyed” e “under the sheets”, que lhe rendeu o o premio “Choice” nos Brit Awards de 2010.
O seu sucesso mais recente foi “Love me like o do” (que eu amo) , que faz parte da trilha sonora de Cinquenta tons de cinza.
Curiosidade: Eu passei a resenha inteira me segurando para não escrever “ela largou tudo para viver de sua arte e das coisas que a natureza nos da”.

Florence and the machine – Indie pop/Indie Rock
Essa banda é muito especial pra mim, pois já fui completamente alucinada pela vocalista Florence Welch – hoje isso está sob controle – e pelo resto da banda.
Florence é a voz da banda e os outros musicistas – todos fantásticos – são a maquina. A banda surgiu em 2009, inicialmente com duas integrantes Florence Welch e Isabela Summers. E atualmente é integrada por Tom Monger (harpa), Robert Ackroyd (guitarra), Chris Hayden (bateria), Mark Saunders (baixo e percussão), e Rusty Bradshaw (piano).
O primeiro álbum foi lançado em 2009, e foi muito bem recebido pelo público e pela critica inglesa.
Eles já estiveram no Brasil duas vezes, uma para o Summer Soul Festival (2012) e outro no Rock in Rio de 2013. E eu amo dizer que estive nos dois.
Curiosidades: Florence foi diagnosticada com dislexia e dismetria. A banda já fez parte da trilha sonora de Gossip Girl, The twilight saga e do filme Wild Child.

Damien Rice – Folk/Indie
Damien pode ser descrito como no mínimo “peculiar”. Um gênio peculiar. A maneira como eu o conheci também foi bastante peculiar: Atrvés de uma fafiction sobre Harry Potter do fandom “Dramione”, há uns 7 anos atrás.
Damien sempre viu a musica como uma forma de se expressar e compreender a vida. Em 2002 ele lançou o seu primeiro cd que foi gravado em seu QUARTO com a ajuda de alguns amigos. Ele não acreditava que esse álbum poderia vender mais 1000 cópias, mas acabou vendendo 2 milhões.
Curiosidade: Ele tem um forte engajamento socioambiental e odeio a fama, por isso não se considera uma celebridade e não se porta como tal. Uma de suas musicas fez parte da trilha sonora do filme “Closer”.

Espero que vocês tenha gostado desse tipo de post, atè a próxima 😉